Contrariando decisão popular, ENEM 2020 será em janeiro de 2021

A realização do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) que segundo a enquete popular seria realizado no mês de maio de 2021, teve a sua data divulgada oficialmente pelo Ministério da Educação (MEC) nesta última quarta-feira (08/07).

A decisão de quase 50% daqueles que participaram da Enquete do Enem era que a prova deveria ser realizada no mês de maio, mas o ministério optou por realizar as provas no mês de janeiro e fevereiro de 2021.

O novo cronograma contará com provas impressas sendo realizadas nos dias 17 e 24 de janeiro, onde 5,7 milhões de candidatos devem participar em centenas de regiões pelo Brasil.

Já a prova digital, que irá abranger 96 mil candidatos, funcionando como um “teste”, será realizada nos dias 31 de janeiro e 07 de fevereiro de 2021.

Aqueles que forem afetados por problemas estruturais em decorrência do isolamento, terá a chance de fazer as provas nos dias 24 e 25 de fevereiro de 2021.

Tempo de Aprender: Conheça o programa e seus eixos.

Resultados

O MEC determinou também que os resultados serão divulgados a partir do próximo dia 29 de março de 2021.

Todos os detalhes podem ser acompanhados através do site oficial:

Divulgação

O responsável pelo anúncio foi feito através do secretário-executivo, Antonio Paulo Vogel, juntamente com Alexandre Lopes, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Durante o discurso o secretário informou que o MEC sabe que a decisão não agrada a todos, mas a decisão foi tomada com base em dados técnicos, já que a realização das provas antes de maio, permite que os aprovados possam ingressar nas universidades ainda no primeiro semestre de 2021.

Caso a prova fosse realmente realizada em maio, só seria possível o ingresso nas universidades a partir do segundo semestre.

“As datas da prova do ENEM alteram todos os cronogramas nacionais das universidades, afetando diretamente também programas como o FIES, SISU e Prouni, que dependem dos resultados para as matrículas.

Reformulação e maior investimento

Para a realização das provas o MEC solicitou ao governo mais 70 milhões de reais, que devem ser aplicados em aluguéis de salas maiores para que haja uma distância mínima entre os candidatos e também a compra de máscaras e materiais de higiene como álcool em gel.

Também será investido uma parte dos recursos no sistema de identificação dos alunos e em protocolos de segurança.

Deixe um comentário